Em um mundo regido pelo excesso como saber se o que já temos é suficiente?

post suficiencia

Busca-se o tempo todo coisas novas que, ao final não dão satisfação. Cada vez temos mais coisas, mas não significa que estamos mais felizes” essa frase do filósofo francês Gilles Lipovetsky não poderia ser mais atual, vivemos em uma sociedade de produção e consumo em excesso e esse modelo está nos levando ao limite.

Se mantivermos estes padrões atuais de comportamento antes de 2050 vamos precisar de duas Terras para nos sustentar, por isso precisamos, urgentemente, mudar nossos hábitos.

O grande problema é que com o modelo econômico atual desconhecemos a moderação e somos levados a acreditar que conseguiremos encontrar a felicidade e aceitação dos outros por meio do que compramos e acumulamos. Se somos constantemente seduzidos a praticar o consumismo, como saber se o que já temos é suficiente? E como conseguiremos alcançar o desenvolvimento sustentável?

É necessário uma mudança de mentalidade pessoal, um despertar da consciência de cada um de nós para compreender que a forma que vivemos hoje é insustentável.

O acúmulo de bens pessoais não é sinônimo de êxito nem de qualidade de vida e muito menos nos traz a felicidade prometida. Além disso estamos em dívida com o planeta, utilizamos os recursos ambientais como se fossem infinitos sem pensarmos nas consequências. Sem contar que ainda existem muitas pessoas que não dispõem nem do básico para a sobrevivência enquanto uma mínima parcela lida com exageros diários.

Enfim, questionar essa cultura do excesso e desperdício é imprescindível atualmente.

As condições econômicas dos últimos dois séculos foram marcadas pelo imperativo do “cada vez mais”. Agora, será necessário empreender uma desmobilização econômica e reinventar uma economia com moderação. Em termos ambientais, isso significa que a suficiência (bem-estar com moderação) deve se aliar à eficiência (uso inteligente dos recursos) e à consistência (harmonia entre indústria e natureza) para que se possa transformar o sistema econômico. “Melhor”, “diferente” e “menos”, eis a trindade da sustentabilidade”, publicação da Fundação Heinrich Böll – Crítica à Economia Verde Impulsos para um Futuro Socioambiental Justo.

Para reinventar uma nova economia é fundamental aprendermos a abrir mão, fazer melhor e diferente. Cada decisão que fazemos gera um impacto e consequências para o meio ambiente e a sociedade.

Segundo a Fundação Heinrich Böll, “precisaremos da eficiência e da proteção dos recursos, assim como de uma política do “menos”, se quisermos que os recursos e a atmosfera sejam suficientes para todas as pessoas terem uma vida digna e sem miséria na Terra. Eficiência, consistência, suficiência e direitos humanos são elementos de uma economia verde, de um bem-estar com moderação”.

Mudança de paradigmas culturais é um processo longo, lento e gradual, mas viver de modo sustentável no futuro será algo tão natural como o consumismo é hoje. A mudança já começou enquanto você lia esse artigo. Agora vamos praticar!

Mais sobre Economia da Suficiência e Sociedade do Bem Estar 

Publicação da Fundação Heinrich Böll – Crítica à Economia Verde Impulsos para um Futuro Socioambiental Justo

Philosophy of Sufficiency Economy


Referências

https://br.boell.org/sites/default/files/ecologia_criticaeconomiaverde.pdf

 http://www.chaipat.or.th/chaipat_english/index.php?option=com_content&view=article&id=4103&Itemid=293

 http://pontoeletronico.me/2015/economia-sustentavel/

 http://www.radarrio20.org.br/index.php?r=conteudo/view&id=12&idmenu=20

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s