DROPS SDF #2

 

Post Drops 2
Photo by Lauren Mancke on Unsplash

As notícias importantes e dicas sobre moda e comportamento desse mês.

Confira o que separamos no Drops SDF 🙂

Ministério do Meio Ambiente abre vagas para cursos nas áreas produção e consumo consciente

O Ministério do Meio Ambiente – MMA está com inscrições abertas para cursos a distância nas áreas de recursos hídricos, agricultura familiar, mudança do clima, produção e consumo sustentáveis, unidades de conservação, igualdade de gênero e outros temas.

Os interessados devem se cadastrar no site do MMA até o dia 28 de julho e escolher um ou mais cursos, que serão realizados sem tutoria. Até o fim do ano, serão abertas 40 mil vagas, incluindo turmas fechadas, realizadas por instituições parceiras.

“A ideia é que sejam desencadeados processos formativos continuados em todo o território nacional, voltados ao fortalecimento da gestão ambiental e ao enfrentamento das problemáticas socioambientais”, afirma a diretora de Educação Ambiental do MMA, Renata Maranhão.

Inscrições gratuitas deverão ser feitas até 28 de julho | Saiba mais aqui.

Curso “Quem fez minhas roupas” – Fashion Revolution e Universidade Exeter  

O SDF apoia o movimento Fashion Revolution [saiba mais sobre o movimento aqui] e acredita que o primeiro passo para a mudança na indústria da moda é entendermos como, por quem, onde e em que condições nossas roupas são feitas.

E é exatamente como encontrar as respostas para essas perguntas que este curso pretende mostrar. Criado pelo Fashion Revolution e a Universidade Exeter, do Reino Unido, o curso propõe ensinar técnicas bem simples para conhecermos melhor sobre nossas roupas e usar essas descobertas para pressionar a indústria da moda a valorizar as pessoas, o meio ambiente, a criatividade e o lucro em igual medida.

A simples pergunta “quem fez minhas roupas?” nos encoraja a pensar de forma diferente sobre o que vestimos e exige das marcas mais transparência e ações efetivas para mudanças em sua cadeia de suprimentos.

O curso é em inglês e ficará disponível de forma gratuita até 30 de julho |Saiba mais aqui.

O descarte de plástico ameaça contaminar permanentemente o meio ambiente, novo relatório analisa impactos dessa produção

Desde a década de 1950, já foram produzidos 8,3 bilhões de toneladas de plástico e estima-se que deverá atingir 34 bilhões até 2050. Considerando que a maioria dessa produção acaba em aterros sanitários ou poluindo continentes e oceanos um novo relatório descobriu que a quantidade total de plástico produzido vai durar centenas, talvez milhares de anos, uma ameaça direta e permanente para o ecossistema.

Segundo o estudo, grande parte do crescimento da produção de plástico tem sido pelo aumento do consumo de embalagens e recipientes descartáveis. Em 2015, dos sete bilhões de toneladas de resíduos de plástico gerados, apenas 9% foram reciclados, 12% incinerados e 79% foram para aterros ou para o meio ambiente.

E esse impacto também está presente na cadeia alimentar humana, segundo estudo realizado pela Universidade Plymouth, Inglaterra, foram encontrados partículas de plásticos em peixes como bacalhau, cavala, crustáceos e moluscos.

“Estamos sufocando cada vez mais os ecossistemas com plástico e estou muito preocupado que pode haver todos os tipos de consequências adversas inesperadas que só vamos descobrir quando seja tarde demais”, disse Roland Geyer, da Universidade da Califórnia e Santa Barbara , que liderou o projeto.

Confira a matéria completa aqui.

Conheça a Orange Fiber, tecido sustentável feito a partir dos resíduos do bagaço da laranja

Desenvolvido e patenteado na Itália, o tecido Orange Fiber é um material inovador produzido a partir do subproduto de suco de frutas cítricas, o chamado “pastazzo”, que normalmente é descartado.

A Orange Fiber, em comparação a outras fibras feitas a partir de celulose (as de madeira ou de bambu), é uma das melhores alternativas, é um tecido de alta qualidade, com um toque macio e luminoso e pode ser tingido e estampado da mesma forma que os tecidos tradicionais.

Salvatore Ferragamo, primeira marca a utilizar comercialmente a Orange Fiber, lançou uma coleção cápsula de blusas, vestidos, calças e lenços.

Saiba mais aqui.

Quatro novos países ratificaram o Protocolo da OIT sobre Trabalho Forçado 

50 for Freedom é uma campanha liderada pela Organização Internacional do Trabalho e por seus parceiros, a Confederação Sindical Internacional e a Organização Internacional dos Empregadores e tem como objetivo conseguir com que 50 países ratifiquem o Protocolo até o final de 2018.

O tratado internacional visa erradicar todas as formas de trabalho forçado no mundo e, durante a Conferência Internacional do Trabalho que aconteceu em Genebra, recebeu o apoio de mais quatro países: Jamaica, Islândia, Suécia e Dinamarca, levando para 17 o número total de ratificações em todo o mundo.

O Protocolo sobre Trabalho Forçado exige que os governos adotem novas medidas destinadas a prevenir todas as formas de trabalho forçado, incluindo o tráfico de pessoas, e a proteger as vítimas e garantir o acesso à justiça e à compensação.

Cerca de 21 milhões de pessoas são vítimas de trabalho forçado em todo o mundo. A OIT estima que esta exploração gere cerca de US $ 150 bilhões anuais em lucros ilícitos.

Conheça mais sobre a campanha aqui.

Para inspirar | Veja o Documentário “A Simpler Way: Crisis as Opportunity”

O documentário faz parte de um experimento de 12 meses criado pelo projeto “The Simpler Way” e acompanha a criação de uma comunidade na Austrália em que alguns voluntários se juntaram para explorar e aprender a viver de uma forma mais simples em resposta às crises globais.

Ao longo de um ano, o filme documenta o processo de aprendizagem e desafios de viver em comunidade e também explora as questões globais que estamos enfrentando ao entrevistar especialistas no tema, como o co-criador de permacultura David Holmgren, cineasta e ativista Helena Norberg-Hodge, ativista mudança climática David Spratt e muitos mais.

“Temos que lidar com este problema como ele realmente é, e é impressionante e difícil. Fingir, caso contrário, que é um problema leve e fácil, que podemos continuar com os negócios como são, que todos podem continuar a só pensar no lucro, que não terá que mudar muito, se pensarmos assim, significa que não conseguiremos chegar na solução que necessitamos. Precisamos de uma realidade brutal a fim de resolver o problema”, David Spratt, autor do livro Climate Code Red.

Um ótimo documentário para aprender e perceber, através de exemplos, que existem outras maneiras de se fazer as coisas. Não há uma fórmula perfeita, mas há melhores alternativas.

Diretores: Jordan Osmond e Samuel Alexander | Confira aqui (em inglês)

Agenda Julho

Post Eventos Junho

No dia 03 de julho o SDF participará do painel “A moda sustentável, um novo agir ao se calçar e se vestir” juntamente com a Eloísa Artuso e Fernanda Simon, da UN Moda Sustentável, e a Lia Spínola, do Instituto Ecotece. O painel faz parte da programação da Feira Francal 2017 que acontece nos dias 02 a 05 de julho no Expo Center Norte em São Paulo.

Além disso, separamos vários eventos bacanas que também acontecerão neste mês. Confira a agenda de julho 🙂

SÃO PAULO

02.07 | Feira Trocaí no Mixcelânia | 11h às 19h | Local: Mixcelânea – R.Mourato Coelho,972, 05417001 São Paulo | Valor: Gratuito |Saiba mais

03.07 | Francal – Painel: A moda sustentável. Um novo agir ao se calçar e se vestir com Michelle Narita, Slow Down Fashion, Eloísa Artuso e Fernanda Simon, UN Moda Sustentável, e Lia Spínola, Instituto Ecotece | 19hrs | Local: Palco Tulipa – Expo Center Norte – Rua José Bernardo Pinto, 333 – Vila Guilherme | Valor: Gratuito | Saiba mais

06.07 | Brechó Reciclô | a partir das 19h | Ipo Bar – Rua Mota Paes, 32, Lapa | Valor: Gratuito | Saiba mais

08.07 | Feira de Expositores Jardim Secreto no Fest ContraPedal | 14h | Local: Centro Cultural São Paulo  – Rua Vergueiro, 1000 – Paraíso | Valor: Gratuito |Saiba mais

22.07 | Oficina de Bordado Livre, Bastidores Compostos por @contra.ponto | 13h às 16h30 | Local: Espaço Manufatura – R. Rodrigo Vieira, 172 – Jardim Vila Mariana | Saiba mais

BELO HORIZONTE

01.07 | Mega Feira Encontro de Brechós BH | 9h às 18h | Local: Rua Tapirapecó, 1038 – Gameleira | Valor: Gratuito |Saiba mais 

08.07 | Breshop – Encontro de Brechós e Bazares de BH | 09h às 17h | Local: Rua Jaceguai, 331, Prado | Valor: Gratuito com inscrição prévia | Saiba mais

RIO DE JANEIRO

Até 02 de julho | Pop up da Malha convida Lucid Bag | 10h às 22h | Local: Rio Design Leblon – Avenida Ataulfo de Paiva, 270 – Leblon | Valor: Gratuito |Saiba mais

RECIFE

02.07 | Mercado Ourela – Feira Colaborativa | 15h às 19h | Local: Marco Pernambucano Da Moda – Rua Da Moeda | Valor: para participação das trocas e oficinas prévia inscrição aqui | Saiba mais 

 

> Sabe de algum evento que acontecerá em sua cidade e que incentiva o consumo consciente e a produção local?  Então, escreva para a gente que incluiremos na agenda de eventos do mês <<

DROPS SDF #1

Untitled design

Quer saber as principais notícias e dicas sobre moda e comportamento desse mês?

Confira o que separamos no Drops SDF 🙂

Programa Sebrae Moda Sustentável 

O Sebrae Rio de Janeiro selecionará 40 microempreendedores individuais, micro e pequenas empresas do setor da moda – dos segmentos de vestuário, acessórios em couro, calçados, bijuterias e jóias para participarem do programa Sebrae Moda Sustentável.

O objetivo do programa é fomentar e incentivar a adoção de boas práticas sustentáveis no setor, estimulando a competitividade e a inovação dos pequenos negócios de moda no mercado.

Duração: 15 meses (de julho de 2017 a setembro de 2018). Inscrições até: 26 de junho no site do Sebrae. Mais informações aqui.

Google lança plataforma sobre moda e cultura, o We Wear Culture

Desenvolvido pelo Google Arts & Culture a plataforma permite explorar moda, arte, comportamento e cultura através de um acervo gigantesco que contém filmes raros e milhares de imagens que contam três mil anos de história. O projeto é fruto de colaboração com mais de 180 instituições culturais em 42 países, inclusive o Brasil.

Prepare-se para ficar horas explorando esse acervo virtual onde é possível navegar pelas histórias das celebridades e estilistas mais influentes, conhecer os movimentos que surgiram  na Corte de Versalhes até às ruas de Tóquio, descobrir a origem e história das peças que usamos e o impacto na moda, da economia e a criação de empregos até o empoderamento de comunidades.

São mais de 400 exposições e histórias online que compartilham um total de 30.000 fotos, vídeos e outros documentos, Quatro experiências de realidade virtual com peças icônicas da moda e mais de 40 locais com acesso aos bastidores no Google Street View

A plataforma Google Arts & Culture é gratuita e está disponível na web, e no aplicativo para iOS e Android.

H&M, Zara e Mark & Spencer são algumas marcas ligadas à fábricas de viscose altamente poluidoras na Ásia, segundo relatório da Fundação Changing Markets

Apesar da viscose ser considerada uma alternativa sustentável ao algodão e ao poliéster, pois é feita de celulose ou polpa de madeira, a maioria das viscoses modernas são produzidas com um alto índice de químicos prejudiciais à saúde e ao meio ambiente.

Uma investigação realizada pela Fundação Changing Markets visitou 10 fábricas na China, Índia e Indonésia, e encontrou danos ambientais graves, incluindo a poluição da água por resíduos contaminados não tratados e poluição do ar. A produção de viscose nessas regiões está contaminando a água fornecida a toda a população e aumentando a possibilidade de risco de câncer.

As marcas alegadas pelo relatório a partir dessas fábricas incluem H & M, Inditex (o proprietário de Zara), Marks & Spencer e Tesco. Segundo o jornal The Guardian, a maioria das marcas contactadas pelo jornal reconheceu que os impactos da produção de viscose são um problema de toda a indústria e dizem que estão explorando maneiras de produzir de forma mais responsável.

Além da contaminação da água, o relatório aponta que a produção de viscose também utiliza químicos pesados – dissulfureto de carbono – que está prejudicando tanto os trabalhadores das fábricas quanto as pessoas que vivem perto delas. Essa toxina tem sido associada a doença cardíaca coronária, defeitos congênitos, doenças da pele e câncer. Outros produtos químicos tóxicos utilizados na produção de viscose incluem hidróxido de sódio (soda cáustica) e ácido sulfúrico.

Confira a reportagem aqui e aqui.

Italiano cria couro feito a partir dos resíduos da produção de vinho

Designer italiano, Gianpiero Tessitore, criou o Wine Leather® (Couro de Vinho), um tecido tão maleável e durável como o couro feito com peles de animais. Após dois anos de estudo e testes o designer conseguiu criar o tecido prensando as fibras vegetais das casas e sementes de uva.

O Wine Leather® é o primeiro produto da empresa VEGEA Company, fundada por Gianpiero em janeiro de 2016 e pode ser usado para fabricação de bolsas, calçados, revestimentos de móveis e para tudo mais que o couro convencional é usado atualmente.

Confira a matéria completa aqui.

Para inspirar | Veja o Documentário The Next Back – A film about the Future of Clothing

Um filme sobre o futuro da moda que explora diversos temas como tecnologia e sustentabilidade. Conversas com a marca Patagônia e Adidas, estúdio XO e BioCouture, consultoria que estuda organismos vivos para cultivar roupas e acessórios.

Confira aqui (em inglês).

Agenda Junho

Post Agenda Junho Flor
foto: Unsplash

A Organização das Nações Unidas (ONU) instituiu, em 1972, o dia 05 de junho como o Dia Mundial do Meio Ambiente. A data serve para refletirmos sobre a importância de se preservar e respeitar o planeta, mas também para lembrarmos que todos podem ser agentes de mudança para garantir um futuro digno às próximas gerações.

E para celebrar esse dia separamos alguns eventos que incentivam novos caminhos para construirmos juntos uma moda e, um mundo, mais sustentável e justo para todos.

Confira! 🙂

SÃO PAULO

01 a 14.06 | 6ª Mostra Ecofalante de Cinema Ambiental | Local: vários locais em SP | Valor: Gratuito | Confira a programação completa no site

03.06 | Sew Sisters – Curso de Costura – Módulo Casa de Pinterest  – Iniciantes | 19h às 22h | Local: Atelier Georgia Halal – R. dos Pinheiros, 339 | Valor: R$450,00 | Saiba mais

05.06 | Moda Sustentável e seus Bastidores: Conhecendo quem faz |19h00 às 22h00 | Piola Jardins – Alameda Lorena , 1765, São Paulo – SP | Valor: Gratuito | Saiba mais

GOIÂNIA

03.06 | Mercado das Coisas | Local: Vila Cultural Cora Coralina | a partir das 15h | Local: Vila Cultural Cora Coralina | Valor: Gratuito | Saiba mais

RIO DE JANEIRO

06.06 | Lançamento loja Pop-Up Malha | 18h às 22h  | Local: Rio Design Leblon – Avenida Ataulfo de Paiva, 270 – Leblon | Valor: Gratuito | Saiba mais

09.06 a 11.06 | Virada Sustentável no Rio de Janeiro 2017 – Maior movimento brasileiro de arte e cultura da sustentabilidade chega à Cidade Maravilhosa e ocupará parques, praças e espaços culturais com diversas atrações e atividades gratuitas | 05h às 19h | Local: vários locais no RJ | Valor: Gratuito | Confira a programação completa no site 

BELO HORIZONTE

10.06 | Feira Breshop – maior feira de brechós e bazares de Belo Horizonte | 09h às 18h | Local: Rua Jaceguai 331, Prado | Valor: Gratuito, mas necessário cadastro | Saiba mais

SALVADOR

19.06 a 23.06 | Curso de Moda para Iniciantes – Como Fazer uma Moda Limpa, organizado por Marina De Luca, estilista, idealizadora do site Moda Limpa e Diretora de Comunicação do Fashion Revolution Brasil | 19:30 hrs às 21:30 hrs | Local: Rua João Gomes, 87, sala 16 C, Freeshop do Rio Vermelho | Saiba mais

SOROCABA

25.06 | Bate-papo para além do consumo com Slow Down Fashion e o Projeto Gaveta | 11hrs | Local: Sesc Sorocaba – Rua Barão de Piratininga, 555, Jardim Faculdade | Valor: Gratuito | Saiba mais

>> Sabe de algum evento que acontecerá em sua cidade e que incentiva o consumo consciente e a produção local?  Então, escreva para a gente que incluiremos na agenda de eventos do mês <<

Um novo olhar sobre como consumir moda

consumo moda

A indústria da moda é a segunda maior poluidora do mundo e a crescente pressão sobre as preocupações ambientais e sociais causadas por processos não-éticos encontrados nesta indústria está levando grandes marcas e empresas do setor a repensarem suas práticas.

Por outro lado, como consumidores a partir do momento que começamos a repensar nossos hábitos percebemos que existem alternativas e novas formas de consumir

A economia compartilhada está ganhando cada vez mais força [plataformas de compartilhamento de carros, casas e músicas já são comuns em nosso dia a dia] e nos permite ter acesso e usufruir de um produto e/ou serviço sem precisar, necessariamente, possuí-lo.

E na moda não é diferente. Muitas iniciativas estão nascendo com esse propósito, seja para trocar, emprestar ou alugar, podemos escolher uma grande quantidade de peças que nos interessam e usar de uma maneira mais econômica e sustentável, assim evitamos o acúmulo de roupas esquecidas no fundo de nossos guarda-roupas.

Uma pesquisa realizada pela Wrap Research, do Reino Unido, afirmou que ao aumentar a vida útil de uma peça de roupa por apenas 3 meses pode levar a uma redução de 5 a 10% na pegada de carbono, água e resíduos.

Se no futuro os recursos naturais se tornarão cada vez mais escassos e caros, o uso de plataformas que incentivam o compartilhamento e trocas serão cada vez mais populares.

É o início de um novo olhar sobre como consumir moda, de menos posse, mais acesso, menos desperdício e mais conexão.

Abaixo listamos algumas iniciativas que adoramos e apoiamos. Confira!

Lucid Bag

Uma comunidade de empréstimo, aluguel e trocas de roupas e acessórios. O projeto acredita que pegar emprestado é um ótimo jeito de evitar compras desnecessárias, além de aumentar a vida útil das peças que estão esquecidas no armário.

Trocaria

Uma plataforma online para a compra, venda e, em breve, troca de itens pré-usados e ‘para sempre amados”. Acreditam e incentivam o consumo consciente e colaborativo da moda por meio da prática da troca e reuso de roupas e acessórios. Também realizam eventos físicos.

Roupateca

Um guarda-roupa compartilhado que funciona por assinatura mensal, acreditam que as pessoas juntas, em rede, são mais importantes que a roupa que consomem. Pessoas e marcas ajudam a construir um acervo vivo, com peças de qualidade e atemporais, que carregam informação de moda e beleza, mas também trazem conexões.

Repassa

Uma comunidade virtual de compra e venda de itens de moda gentilmente usados, que remunera a influência das pessoas.

Projeto Gaveta

Com a ideia inicialmente de difundir o conceito de clothing swap no Brasil, criando uma rede onde os participantes pudessem trocar roupas que não usam mais, hoje o projeto Gaveta é um movimento que incentiva uma moda mais humana, real e sustentável através dos eventos que realizam periodicamente.

Excambo

Acreditam que é nossa responsabilidade olhar para os hábitos do dia-a-dia e escolher a melhor forma de nos relacionarmos com a sociedade e o mundo. O projeto organiza eventos de trocas de tudo aquilo que está parado e que não faz mais sentido guardar prolongando a vida útil de cada produto, além de compartilhar muitas histórias.

Aplicativo Roupa Livre

O aplicativo permite trocar roupas usadas por peças de outras pessoas, funciona como o tinder das roupas, é só curtir uma peça de alguém que curtiu uma sua e combinar a troca.

Trocaderia

É um projeto que promove trocas divertidas. Ele acredita em consumo consciente, moda acessível, eventos animados e em novas chances para os itens que estão parados em armários por aí.

Brick dos Desapegos

É uma feira de moda sustentável que incentiva e fomenta o desapego. Em suas edições congrega expositores de desapegos (pessoas físicas que querem repassar suas pecinhas queridas), brechós itinerantes (pessoas jurídicas) e marcas autorais sustentáveis. Além da venda de vestuário, a cada edição, um conteúdo sobre moda sustentável para debater e refletir.

Trocaí

Um projeto de economia compartilhada que reúne diversas atividades por um consumo mais consciente com objetivo de ajudar as pessoas a repensarem seus hábitos de consumo por um planeta melhor e por um estilo de vida mais sustentável. Desde novembro de 2015, realizam, em São Paulo e outras cidades: feiras de trocas, palestras e workshops, consultorias de moda sustentável e oficinas de educação ambiental.

Espichamos

Uma plataforma online para venda, compra, troca ou doação de itens de crianças e bebês. O projeto foi criado com o objetivo de repensarmos a nossa relação com o consumo, ser consciente, solidário e sustentável.

Saiba mais sobre esses projetos e outras iniciativas que promovem o consumo consciente e sustentável na moda no nosso site –  www.slowdownfashion.com.br.


Referências:

https://www.theguardian.com/sustainable-business/sustainable-fashion-blog/2014/oct/02/how-to-be-fashionable-without-owning-clothes

https://www.businessoffashion.com/articles/fashion-tech/will-the-sharing-economy-work-for-fashion-rent-the-runway-rental

Agenda Maio

[Path]_moda_consciente

Nos dias 6 e 7 de maio acontecerá, em São Paulo, o Festival Path, maior evento de inovação e criatividade do Brasil.

O Slow Down Fashion estará presente juntamente com a Eloisa Artuso, dao movimento Fashion Revolution Brasil, Luciana Nunes do projeto Lucid Bag e a estilista Flavia Aranha para discutirmos sobre caminhos para um consumo mais consciente e como podemos transformar e construir uma sociedade mais sustentável a partir da moda, seja como consumidores, empresários ou empreendedores, revendo nossos hábitos e ajustando nosso comportamento.

Além do festival separamos vários eventos bacanas que acontecerão esse mês. Confira!

SÃO PAULO

07.05 | Festival Path – Painel: Moda é ser consciente | 16h45 às 17h45 | Local: Centro Cultural Rio Verde – Sala 2 , Vila Madalena | alor: R$ 249,00 – acesso para os dois dias do evento | Saiba mais

06 a 07.05 | Mercado Manual | 10h às 20h | Local: Museu da Casa Brasileira – Av. Faria Lima, 2705 | Valor: Gratuito | Saiba mais

13.05 | Festival Transforma (Arte)sanato | 13h às 21h | Local: Studio Esther

Praça da República, 80, 905 | Valor: R$60,00 | Saiba mais

PORTO ALEGRE

06.05 | MODAUT 002 reúne marcas, debate, música e food trucks  | 14h às 21h |

Local: Área 51 –  Rua Lucas de Oliveira, 894, em Porto Alegre | Valor: Gratuito | Saiba mais

BELO HORIZONTE

06.05 | Junta tudo encontro de Brechós BH – Edição dia das mães | 10h às 18h | Local: TABA Colab – Rua Tabaiares 72, Floresta | Valor: Gratuito | Saiba mais

13.05 | Workshop Casos Perdidos – Alice M – Consultoria de Imagem com Ética | 09h às 13h | Local: Comune Coworking – Av. do Contorno, 7213 – Lourdes | Valor: R$250,00 – inscrições até 06.05 | Saiba mais

RIO DE JANEIRO

20 e 21.05 | Oficina Moda e Desapego com Projeto Gaveta, Mig Jeans e Stúdio Trinca | 10h às 16h | Local: Malha – Rua General Bruce, 274 – São Cristóvão | Valor:R$650,00 | Saiba mais

>> Sabe de algum evento que acontecerá em sua cidade e que incentiva o consumo consciente e a produção local?  Então, escreva para a gente que incluiremos na agenda de eventos do mês <<

Em um mundo regido pelo excesso como saber se o que já temos é suficiente?

post suficiencia

Busca-se o tempo todo coisas novas que, ao final não dão satisfação. Cada vez temos mais coisas, mas não significa que estamos mais felizes” essa frase do filósofo francês Gilles Lipovetsky não poderia ser mais atual, vivemos em uma sociedade de produção e consumo em excesso e esse modelo está nos levando ao limite.

Se mantivermos estes padrões atuais de comportamento antes de 2050 vamos precisar de duas Terras para nos sustentar, por isso precisamos, urgentemente, mudar nossos hábitos.

O grande problema é que com o modelo econômico atual desconhecemos a moderação e somos levados a acreditar que conseguiremos encontrar a felicidade e aceitação dos outros por meio do que compramos e acumulamos. Se somos constantemente seduzidos a praticar o consumismo, como saber se o que já temos é suficiente? E como conseguiremos alcançar o desenvolvimento sustentável?

É necessário uma mudança de mentalidade pessoal, um despertar da consciência de cada um de nós para compreender que a forma que vivemos hoje é insustentável.

O acúmulo de bens pessoais não é sinônimo de êxito nem de qualidade de vida e muito menos nos traz a felicidade prometida. Além disso estamos em dívida com o planeta, utilizamos os recursos ambientais como se fossem infinitos sem pensarmos nas consequências. Sem contar que ainda existem muitas pessoas que não dispõem nem do básico para a sobrevivência enquanto uma mínima parcela lida com exageros diários.

Enfim, questionar essa cultura do excesso e desperdício é imprescindível atualmente.

As condições econômicas dos últimos dois séculos foram marcadas pelo imperativo do “cada vez mais”. Agora, será necessário empreender uma desmobilização econômica e reinventar uma economia com moderação. Em termos ambientais, isso significa que a suficiência (bem-estar com moderação) deve se aliar à eficiência (uso inteligente dos recursos) e à consistência (harmonia entre indústria e natureza) para que se possa transformar o sistema econômico. “Melhor”, “diferente” e “menos”, eis a trindade da sustentabilidade”, publicação da Fundação Heinrich Böll – Crítica à Economia Verde Impulsos para um Futuro Socioambiental Justo.

Para reinventar uma nova economia é fundamental aprendermos a abrir mão, fazer melhor e diferente. Cada decisão que fazemos gera um impacto e consequências para o meio ambiente e a sociedade.

Segundo a Fundação Heinrich Böll, “precisaremos da eficiência e da proteção dos recursos, assim como de uma política do “menos”, se quisermos que os recursos e a atmosfera sejam suficientes para todas as pessoas terem uma vida digna e sem miséria na Terra. Eficiência, consistência, suficiência e direitos humanos são elementos de uma economia verde, de um bem-estar com moderação”.

Mudança de paradigmas culturais é um processo longo, lento e gradual, mas viver de modo sustentável no futuro será algo tão natural como o consumismo é hoje. A mudança já começou enquanto você lia esse artigo. Agora vamos praticar!

Mais sobre Economia da Suficiência e Sociedade do Bem Estar 

Publicação da Fundação Heinrich Böll – Crítica à Economia Verde Impulsos para um Futuro Socioambiental Justo

Philosophy of Sufficiency Economy


Referências

https://br.boell.org/sites/default/files/ecologia_criticaeconomiaverde.pdf

 http://www.chaipat.or.th/chaipat_english/index.php?option=com_content&view=article&id=4103&Itemid=293

 http://pontoeletronico.me/2015/economia-sustentavel/

 http://www.radarrio20.org.br/index.php?r=conteudo/view&id=12&idmenu=20