Agenda Junho

Post Agenda Junho Flor
foto: Unsplash

A Organização das Nações Unidas (ONU) instituiu, em 1972, o dia 05 de junho como o Dia Mundial do Meio Ambiente. A data serve para refletirmos sobre a importância de se preservar e respeitar o planeta, mas também para lembrarmos que todos podem ser agentes de mudança para garantir um futuro digno às próximas gerações.

E para celebrar esse dia separamos alguns eventos que incentivam novos caminhos para construirmos juntos uma moda e, um mundo, mais sustentável e justo para todos.

Confira! 🙂

SÃO PAULO

01 a 14.06 | 6ª Mostra Ecofalante de Cinema Ambiental | Local: vários locais em SP | Valor: Gratuito | Confira a programação completa no site

03.06 | Sew Sisters – Curso de Costura – Módulo Casa de Pinterest  – Iniciantes | 19h às 22h | Local: Atelier Georgia Halal – R. dos Pinheiros, 339 | Valor: R$450,00 | Saiba mais

05.06 | Moda Sustentável e seus Bastidores: Conhecendo quem faz |19h00 às 22h00 | Piola Jardins – Alameda Lorena , 1765, São Paulo – SP | Valor: Gratuito | Saiba mais

GOIÂNIA

03.06 | Mercado das Coisas | Local: Vila Cultural Cora Coralina | a partir das 15h | Local: Vila Cultural Cora Coralina | Valor: Gratuito | Saiba mais

RIO DE JANEIRO

06.06 | Lançamento loja Pop-Up Malha | 18h às 22h  | Local: Rio Design Leblon – Avenida Ataulfo de Paiva, 270 – Leblon | Valor: Gratuito | Saiba mais

09.06 a 11.06 | Virada Sustentável no Rio de Janeiro 2017 – Maior movimento brasileiro de arte e cultura da sustentabilidade chega à Cidade Maravilhosa e ocupará parques, praças e espaços culturais com diversas atrações e atividades gratuitas | 05h às 19h | Local: vários locais no RJ | Valor: Gratuito | Confira a programação completa no site 

BELO HORIZONTE

10.06 | Feira Breshop – maior feira de brechós e bazares de Belo Horizonte | 09h às 18h | Local: Rua Jaceguai 331, Prado | Valor: Gratuito, mas necessário cadastro | Saiba mais

SALVADOR

19.06 a 23.06 | Curso de Moda para Iniciantes – Como Fazer uma Moda Limpa, organizado por Marina De Luca, estilista, idealizadora do site Moda Limpa e Diretora de Comunicação do Fashion Revolution Brasil | 19:30 hrs às 21:30 hrs | Local: Rua João Gomes, 87, sala 16 C, Freeshop do Rio Vermelho | Saiba mais

SOROCABA

25.06 | Bate-papo para além do consumo com Slow Down Fashion e o Projeto Gaveta | 11hrs | Local: Sesc Sorocaba – Rua Barão de Piratininga, 555, Jardim Faculdade | Valor: Gratuito | Saiba mais

>> Sabe de algum evento que acontecerá em sua cidade e que incentiva o consumo consciente e a produção local?  Então, escreva para a gente que incluiremos na agenda de eventos do mês <<

O mundo que queremos é possível

the more beautiful

Em um tempo de crise social e ecológica já percebemos que o modelo atual é insustentável e brutal para todos. Mas, em paralelo a tudo isso, estamos vendo – e participando – de novos movimentos que tem valor de transformação. Queremos mudar modelos existentes e criar novos que sejam mais colaborativos e sustentáveis para todos e em todos os setores.

A dica de hoje é um vídeo inspirador do escritor Charles Eisenstein, baseado em seu livro “The more beautiful world our heart know is possible”. Charles acredita que “não podemos nos limitar aos entendimentos que já temos, é preciso pisar no desconhecido e temos que acreditar em um mundo mais bonito para poder servi-lo”.

Veja o vídeo completo aqui. Inspire-se 🙂

 

Saiba mais sobre o autor:

http://charleseisenstein.net/o-mundo-mais-bonito-que-nossos-coracoes-sabem-ser-possivel/

Mais textos para refletir sobre o assunto:

http://gustavotanaka.com.br/ha-algo-de-grandioso-acontecendo-no-mundo/

http://pontoeletronico.me/2016/aquario/

 

 

 

 

Patagonia: histórias por trás das roupas

17_POST_PATAGONIA
Foto Instagram @patagonia

“Fabricar o melhor produto, não causar dano desnecessário, e usar o negócio para inspirar e implementar soluções à crise ambiental“, essa é a missão da marca californiana Patagonia que com mais de 30 anos no mercado produzindo roupas esportivas para práticas de esporte ao ar livre, segue fiel aos seus valores e é referência em práticas sustentáveis.

Yvon Chouinard, alpinista, amante da natureza e fundador da marca percebeu que seu modelo de negócio, desde a iluminação em suas lojas até o tingimentos das camisetas, geraria poluição e impactos, por isso, se comprometeu a reduzi-los com ações efetivas em toda a cadeia de produção e pós-consumo da marca.

Já nos primeiros anos de vida a Patagonia adotou o uso de materiais naturais e recicláveis para o desenvolvimento de todas as peças. Desde 1985, doa 1% de sua receita ou 10% do seu lucro (o que for maior) para grupos de proteção do meio ambiente.

A empresa é transparente em relação as suas informações e práticas, disponibilizando em seu site o código de conduta e condições de trabalho e, também publica anualmente as listas das fábricas e resultados das auditorias. Além disso, em 2007, criou o programa The Footprint Chronicles® que disponibiliza informações de cada produto, além de contar a história de todos os envolvidos na cadeia produtiva. O programa tem como objetivo ajudar a reduzir os impactos sociais e ambientais gerados.

Mas, um dos pontos mais importantes da marca é a preocupação em desenvolver produtos de alta durabilidade e qualidade para que seus clientes não precisem comprar roupas por um bom tempo [você deve lembrar da campanha “Don´t buy this jacket” publicada na época do black friday americano, certo?].

“Não podemos ser uma sociedade baseada no consumo e descarte sem limite. O que estamos tentando fazer é produzir roupas que possam ser repassadas e que possam durar para sempre”, Yvon Chouinard.

A Patagonia acredita nos 5 R´s – Reduzir o que se compra, Reparar o que pode, Reutilizar o que se tem e Re-Imaginar um mundo sustentável. Para o Yvon a coisa mais responsável que podemos fazer ao comprar roupas é, número um, comprar roupas usadas, pois o dano já foi feito ao produzi-las. Por isso, a Patagonia incentiva e facilita o processo de troca e/ou venda das peças usadas de seus clientes, e, também, recicla as roupas já desgastadas transformando-as em uma nova fibra ou tecido.

A marca também criou o programa Worn Wear que celebra as histórias por trás de uma peça de roupa, ajudando-as a seguirem seu ciclo de vida através de oficinas de reparos que disponibilizam para seus clientes.

Todo mundo tem alguma peça no armário que conta uma história, uma aventura, um momento importante na vida. Cada uma nos traz uma lembrança e, é exatamente o que a Patagonia quer celebrar. “Celebrate the stuff you already own”. Aquela peça que te acompanha há muito tempo ou aquela jaqueta que passou por todos os seus irmãos antes de você usar. Conheça algumas histórias aqui.

Uma das frases favoritas de Yvon Chouinard é a do Henry David Thoreau em que diz: “Cuidado com qualquer empreendimento que exige roupas novas”. Afinal, roupas tem significado, carregam histórias e devemos dar mais valor à elas 🙂

 


Referências

http://www.patagonia.com/us/patagonia.go?assetid=2329

http://www.patagonia.com/us/worn-wear/

http://www.expoknews.com/caso-de-exito-de-rse-patagonia/

https://www.visualnews.com/2015/08/03/brandcrush-3-reasons-to-love-and-learn-from-patagonia/

http://mundodasmarcas.blogspot.com.br/2014/08/patagonia.html

Lavanderia Inteligente: saiba como preservar suas roupas e o meio ambiente

laundry-413688

Você sabia que 58% de todo impacto ambiental da vida de uma peça acontece depois que você leva para casa?

A boa notícia é que está nas suas mãos reduzir esses impactos e fazer a diferença. Abaixo listamos algumas dicas que são bem simples de adotar 🙂

LAVAGEM

Lave suas roupas com menos frequência: Você não estará apenas economizando água e detergente, suas roupas também vão durar muito mais. Lave apenas quando for realmente necessário.

As máquinas de lavar não são econômicas, por isso, evite usar processos completos oferecidos por elas, pois essas opções gastam uma quantidade excessiva de água. Também escolha a lavagem com água fria ou morna (muitas máquinas consomem ainda mais energia para esquentar a água no processo).

É importante sempre verificar as instruções indicadas na etiqueta de composição de suas peças. Alguns tecidos são mais fáceis de limpar que outros. A lã, por exemplo pode ser facilmente limpa apenas com o vapor do chuveiro gerado por nosso banho, sem necessidade de entrar em contato direto com a água e sem uso de produtos.

Lavar roupas íntimas e delicadas à mão ajuda na durabilidade das peças e a diminuir gasto de água.

Outra dica é escolher sabões, detergentes e amaciantes menos nocivos ao meio ambiente. Usar bicarbonato de sódio junto com seu sabão em pó potencializará o poder de limpeza. Adicione umas 3 colheres de sopa no ciclo, (ele também ajuda a tirar cheiros ruins que ficam impregnados e a clarear os tecidos brancos), assim você precisa de menos quantidade de produto.

SECAGEM

Evite usar a secadora: Prefira estender suas roupas em um varal e deixá-las secar naturalmente. Tente não utilizar pregadores que costumam marcar as roupas. o  melhor seria pendurá-las em cabides ou deixar a peça dobrada pela metade na própria cordinha do varal. Reduzir o uso da secadora ajuda a minimizar o nível de emissão de gases na atmosfera, além de eliminar a necessidade de passar peças como calça jeans e camisetas.

PASSADORIA

Evite altas temperaturas e vapor quando não for necessário e sempre siga as instruções da etiqueta para evitar danos à peça e economizar energia.

Tecidos sintéticos como poliéster 100%, poliamida e acrílico não precisam ser passados. Enquanto algodão, linho e viscose devem ser tratados com cuidado em temperaturas baixas ou médias.

JEANS

Você sabia que uma calça jeans pode ser usada em torno de 10 vezes antes de ser lavada? Outra dica é colocá-la em um saco e congelá-la! Deixe seu jeans no freezer por um dia ou dois e isso matará as bactérias e reduzirá cheiros.

Viu como é fácil?

Fazer escolhas inteligentes e adotar mudanças simples em sua rotina não somente ajudará a minimizar os impactos gerados, mas também fará suas roupas durarem mais e, assim, adiar seu descarte.


Referências

https://www.thereformation.com/whoweare#laundryTime

http://www.insectashoes.com/blog/lava-seca-e-passa-minimize-o-impacto-dessa-rotina/

http://www.umanosemlixo.com/2015/02/os-tres-essenciais-para-uma-casa.html

http://www.heddels.com/2012/01/when-should-i-wash-my-jeans-a-rough-guide/

Conheça os 10 valores do Slow Fashion

SLOW_FASHION

O Slow Fashion é um conceito que surgiu como alternativa à indústria fashion de massa. Nesta visão, são incorporados os cuidados com o meio ambiente e a responsabilidade social, além do estímulo ao comércio e consumo consciente e ético.

Para nortear essa nova forma de produzir e consumir moda, foram definidos 10 valores do Slow Fashion, que apresentaremos abaixo:

  1. Visão geral/abrangente: devemos reconhecer que todas as nossas ações estão interconectadas em um sistema maior, ecológico e social. Ao entendermos que nossas escolhas afetam o meio ambiente e as pessoas, o Slow Fashion incentiva que tomemos decisões adequadas e justas, para gerarmos impactos positivos.
  2.  Diminuir o consumo: o fast fashion estimula o consumo desenfreado, gerando uma produção acelerada e um alto uso de matérias-primas, não permitindo que o ecosistema se regenere. O Slow Fashion sugere uma produção mais lenta e programada, o que diminui o impacto ambiental, uma vez que a produção estará em um ritmo mais saudável e alinhado aos ciclos naturais. O respeito ao tempo também melhora as condições de trabalho dos profissionais da indústria têxtil. Além disso, o movimento incentiva um modo de pensar, agir e consumir baseados nos raciocínios: “qualidade sobre quantidade” e “menos é mais”
  3.  Diversidade: as marcas Slow Fashion esforçam-se para manter a diversidade ecológica, social e cultural. Neste contexto, a biodiversidade é crucial, pois é ela que promove as condições necessárias para a vida prosperar, já que dependemos de outras espécies e  de um sistema ecológico saudável para florescer. O movimento encoraja e reconhece modelos de negócios inovadores e diversos, como: designers independentes, cooperativas,  brechós,  peças vintages, materiais reciclados, aluguel e troca de roupas. Além de modelos de negócios alternativos, ao incentivar e resgatar métodos e técnicas tradicionais de elaboração e tingimento de roupas e tecidos, criamos e promovemos a cultura de roupas com mais significado.
  4. Respeito às pessoas: a participação em iniciativas de comércio justo, cooperativas e a implementação de códigos de conduta podem ajudar a estabelecer condições justas de trabalho aos profissionais da indústria de moda. Com esse objetivo, algumas marcas juntaram-se a iniciativas como a Asian Floor Wage Alliance, Ethical Trading Initiative, Fair Wear Foundation entre outros. Outra forma de estimulo, é o apoio à comunidades locais para  elas se desenvolverem profissionalmente.
  5. Reconhecendo as necessidades humanas: utilizando processos de manufatura e produções mais éticas, o Slow Fashion respeita e valoriza as necessidades humanas ao redor do mundo e de todos os envolvidos na cadeia produtiva. Além disso, os designers, ao explicarem a história por trás de cada peça ou convidando o consumidor a fazer parte do processo, promovem um relacionamento mais próximo e um sentimento de pertencimento.
  6. Construindo relacionamentos: promover relações duradouras e de confiança entre todos os envolvidos, desde os criadores, produtores e consumidores fortalece o movimento. Construir relacionamentos transparentes é um dos pontos chaves do Slow Fashion.
  7. Priorizar fornecedores e mão de obra local: o Slow Fashion dá ênfase, sempre que possível, no uso de materiais, recursos e capital humano locais. Essa postura, junto ao apoio do desenvolvimento de pequenos negócios e profissionais locais, gera um impacto ambiental menor, fortalece a economia local e enriquece as comunidades.
  8. Manter a qualidade, a beleza e o cuidado: incentivar o design clássico ao invés de tendências passageiras contribui para a longevidade das roupas. A escolha de tecidos de qualidade, cortes clássicos e criações versáteis e atemporais garantem a durabilidade das peças. Marcas Slow Fashion também podem oferecer serviços de reparações e restyling para ajudar a conservar os produtos ao longo do tempo.
  9. Rentabilidade: as marcas Slow Fashion precisam ser rentáveis, competitivas e buscar visibilidade no mercado. Os preços são muitas vezes maiores porque incorporam recursos sustentáveis e salários justos que refletem no valor real de cada peça. Mas uma roupa de qualidade e atemporal durará muito mais, passando a ser um investimento que vale a pena.
  10. Praticar a consciência: dentro do movimento Slow Fashion, as pessoas agem com paixão e buscam fazer a diferença no mundo de forma criativa e inovadora. Elas tomam decisões baseadas em suas convicções, na conexão com outro e com o meio ambiente e, sobretudo, na vontade de agir de forma responsável.

Conheça aqui marcas alinhadas a esse conceito em todo o Brasil: http://www.slowdownfashion.com.br

[texto traduzido e adaptado do site slow fashion foward]